Inventário de fauna edáfica como instrumento na avaliação de qualidade e biodiversidade de solos urbanos: estudo de caso do parque CienTec

Natália Nunes Patucci, Luís Carlos Iuñes Oliveira Filho, Déborah de Oliveira, Dilmar Baretta, Marie Luise Carolina Bartz, Antônio Domingos Brescovit

Resumo


A pesquisa avaliou a qualidade e biodiversidade de solos urbanos da cidade de São Paulo (SP), especificamente o parque CienTec (Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade de São Paulo), utilizando exemplares da pedofauna e outros atributos edáficos. Delimitaram-se aleatoriamente parcelas de 1,68 ha em ambiente seco e úmido, onde foram coletadas: amostras de solo, invertebrados associados à interface solo – serapilheira por armadilhas de queda e exemplares de Oligochaetas pelo método TSBF. Foi realizada nas áreas de estudo uma coleta concentrada no verão (02/2014) e inverno (09/2014; 10/2014), com o objetivo de verificar a relação da diversidade e densidade (Ind.m²) da fauna edáfica coletada com algumas variáveis ambientais, especialmente com a temperatura do solo (ºC), precipitação (mm) nos dias de coleta nos períodos úmidos e secos, ausência e presença de drenagem na parcela amostral, atributos químicos como pH, C.O, K, P, Ca, Mg e Al, textura e classe de solos. Foram identificadas espécies de Oligochaetas e famílias da ordem Araneae, Chilopoda e Coleoptera. A densidade de indivíduos (Ind.m²) da ordem Araneae e Coleoptera foi influenciada pelo ambiente e época de amostragem. O aumento do teor de C.O e a elevada disponibilidade de macronutrientes favoreceram o aumento de Ind.m² nos primeiros 20 cm de profundidade do solo. Os resultados sugerem também que a elevada frequência da espécie P. corenthurus (Oligochaeta Glossoscolecidae), indique alteração ambiental por práticas de intervenção antrópicas.


Palavras-chave


inventário de fauna edáfica, qualidade do solo, biodiversidade do solo, solos urbanos.

Texto completo:

PDF PDF

Referências


ANDERSON, J. M. Invertebrate-mediated transport process in soils. Agriculture Ecosystems and Environment, Amsterdam, v.25, p.5-14, 1988.

ANDERSON, J. M.; INGRAM, J. S. I.(Org.). Tropical soil biological and fertility: A Handbook of methods. 2. ed. Wallingford: C.A.B. International, 1993.

AQUINO, A.M (Org.). Manual para macrofauna do solo. Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2001. 21p. (Embrapa-CNPAB. Documentos, 130).

AQUINO, A.M.; MENEZES, H.L. A.; QUEIROZ, J.M.(Org.). Recomendações para coleta de artrópodes terrestres por armadilhas de queda (“pitfall-traps”). Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2006. 8p. (Embrapa Agrobiologia. Documentos, 18).

ANTONIOLLI, I.Z.; CONCEIÇÃO, P.C.; BOCK, V.; PORT, O.; SILVA, D.M.; SILVA, R.F. Método alternativo para estudar a fauna do solo. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 4, p. 407- 417, 2006.

BARETTA, D.; MAFRA, A.L.; SANTOS, J.C.P.; AMARANTE, C.V.T & BERTOL, I. Análise multivariada da fauna edáfica em diferentes sistemas de preparo e cultivo do solo. Pesquisa Agropecuária Brasileira,v. 41, p.1675-1679, 2006.

BARETTA, D. Fauna do solo e outros atributos edáficos como indicadores da qualidade ambiental em áreas com Araucaria angustifólia no Estado de São Paulo. Piracicaba, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, 2007. 158 p. (Tese de Doutorado).

BARETTA, D.; BROWN, G.C.; CARDOSO, E.J.B.N. Potencial da macrofauna e outras variáveis edáficas como indicadores de qualidade do solo em áreas com Araucaria angustifólia. Acta Zoll. Mex., v.2, p. 135-150, 2010.

BARBOSA, L.M.; POTOMATI, A.; PECCINI, A.A.(Org.). O Pefi: histórico e Legislação. In: BICUDO, D.C.; FORTI, M.C.; BICUDO, C.E.M. Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI): unidade de conservação que resiste à urbanização de São Paulo. São Paulo: Editora Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, p. 15-28, 2002.

BARROS, E.; GRIMALDI, M.,; SARRAZIN, M.; CHAUVEL, A.; MITJA, D.; DESJARDINS, T.; LAVELLE, P. Soil physical degradation and changes in macrofaunal communities in Central Amazon. Applied Soil Ecology, Amsterdam, v. 26, n. 2, p. 157-168, 2004.

BARTZ, M. L. C. Ocorrência e taxonomia de minhocas em agroecossistemas no Paraná, Brasil. Londrina, Universidade Estadual de Londrina, 2011. 175 p. (Tese de dourado).

BENATI, K.R. ALVES, J.P.S., SILVA, E.A., Peres, M.C.L., Coutinho, E.O. Aspectos comparativos das comunidades de aranhas (Araneae) em dois remanescentes de Mata Atlântica do Estado da Bahia, Brasil, Biota Neotropica. Campinas, v.5, p.79-87, 2005.

BRESCOVIT, A. D.; RHEIMS, C. A; BONALDO, A. B (Org.). Chave de identificação para famílias de aranhas brasileiras. Instituto Butantan, 2007.

BROWN, G. G. et al. Exotic, peregrine, and invasive earthworms in Brazil: diversity, distribution, and effects on soils and plants. Caribbean Journal of Science, Puerto Rico, v. 42, n. 3, p. 339-358, 2006.

BROWN, G. G.; JAMES, S. W. Ecologia, biodiversidade e biogeografia das minhocas no Brasil. In: BROWN, G. G.; FRAGOSO, C. Minhocas na América Latina: Biodiversidade e ecologia. Londrina: Embrapa Soja, p. 297- 381, 2007.

BUCH, C.A; BROWN, G.G. Ciclo de vida e desenvolvimento de Pontoscolex corethrurus (Müller, 1857) em solo artificial tropical. In: Encontro Latino Americano de Ecologia e Taxonomia de Oligochaetas (ELAETAO4), 4., Curitiba, p. 1- 4, 2010.

CASARI, S,A & IDE, S. Coleopteras (Org.). In: ALBERTINO et al. Insetos do Brasil: Diversidade e Taxonomia. Ribeirão Preto. Holos Editora, 2012, p.454-535.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisas de Solos. Manual de métodos de análises de solos. 2.ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2011. 230p.

ESPÍRITO-SANTO FILHO, K. Efeito de distúrbios ambientais sobre fauna de cupins (insecta:Isoptera) e seu papel como bioindicador. Rio Claro, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, 2005. 104p. (Dissertação de mestrado).

FERNANDES, J. A.; REIS, L. A. M.; CARVALHO, A. Caracterização do meio físico. In: BICUDO, D.C.; FORTI, M.C.; BICUDO, C.E.M. Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI): unidade de conservação que resiste à urbanização de São Paulo. São Paulo: Editora Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, 2002. p. 49-62.

FORTI, M.C. 2000. Ciclos biogeoquímicos e transferência de espécies químicas nas interfaces de ecossistemas terrestres de Mata Atlântica: estudo de duas áreas contrastantes. Projeto FAPESP 99/05204-4, Relatório Parcial (Manuscrito).

HENDRIX, P.F.; CROSSLEY JR., D.A.; BLAIR, J.M. & COLEMAN, D.C. Soil biota as components of sustainable agroecosystems. In: EDWARDS, C.A.; LAL, R.; MADDEN, P.; MILLER, R.H. & HOUSE, G. Sustainable agricultural systems. Ankey, Soil and Water Conservation Society, 1990. p.637-654.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. 2ªed revisada e ampliada. 2012. 271p.

KÄMPF, N.; CURI, N.(Org.). Conceito de solo e sua evolução histórica. In: KER, J.C. et al. Pedologia: Fundamentos. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do solo, 2012. p. 1-20.

KIREJTSHUK, A.G. A current generic classification of sap beetles (Coleoptera, Nitidulidae). Zoosystematica Rossica, v.17, n.1, p. 107-122, 2008.

LAVELLE, P. & PASHANASI, B. Soil macrofauna and land management in Peruvian Amazonia ( Yurimanguas, Loreto) Pedobiology, v. 33, p. 283-291, 1989.

LAVELLE, P. Faunal activities and soil processes: adaptive strategies that determine ecosystem function. Adv. Ecol. Res., v. 27, p.93–132, 1997.

MOÇO, M.K.S.; GAMA-RODRIGUES, E.F.; GAMA-RODRIGUES, A.C & CORREIA, M.E.F. Caracterização da fauna edáfica em diferentes coberturas vegetais na região norte fluminense. Revista Brasileira Ciência do Solo, v.29, p.555-564, 2005.

MOREIRA, F.M.S.; HUISING, E.J. & BIGNELL, D.E.(Org.). Manual de biologia dos solos tropicais: amostragem e caracterização da biodiversidade. Editora da Universidade Federal de Lavras, MG, 2010. 368p.

MÜLLER, F. Lumbricus corethrurus, Burstenschwanz. Archiv fur Naturg.,v.23, p.113-116, 1857.

MURRAY, A. Monograph of the Family of Nitidulidae. The Transactions of the Lennean Society of London, London,v.24, n.3,p. 211-414, 1864.

PATUCCI, N.N. Estudo da pedofauna como bioindicadora daqualidade de solos em fragmentos florestais urbanos. São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, 2015. 134 p. (Dissertação de Mestrado).

PEREIRA, A.R.; ANGELOCCI, L.R.; SENTELHAS, P.C. (Org.). Agrometeorologia: Fundamentos e aplicações práticas. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 2007. 306p.

PIVELLO, V.R; PECCININI, A.A. A vegetação do PEFI. In: BICUDO, D.C.; FORTI, M.C.; BICUDO, C.E.M. Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI): unidade de conservação que resiste à urbanização de São Paulo. São Paulo: Editora Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, 2002. p.75-92.

POMPEO, P.N.; OLIVEIRA FILHO, L.C.I.; FILHO, O.K.; MAFRA, A.L.; BARETTA, C.R.D.M.; BARETTA, D. Diversidade de Coleoptera (Arthropoda: Insecta) e atributos edáficos em sistemas de uso do solo no Planalto Catarinense. Revista Scientia Agraria, Curitiba, v.17, n.1, p.16-28, 2016.

PORTILHO, I. I. R.; CREPALDI, R. A.; BORGES, C. D.; SILVA, R. F. da; SALTON, J. C.; MERCANTE, F. M. Fauna invertebrada e atributos físicos e químicos do solo em sistemas de integração lavoura‐pecuária. Pesquisa Agropecuária Brasileira. v. 46, n. 10, p. 1310-1320, 2011.

RAIJ, B. Van; CANTARELLA, H.; QUAGGIO, J.A.; FURLANI, A.M.C.(Org.).Recomendações de adubação e calagem para o Estado de São Paulo. 2.ed. Campinas: IAC, 1997. 285p. (Boletim Técnico, 100).

RICKLEFS, R.E. A Economia da Natureza. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. 503 p.

SANTOS, P.M; FUNARI, F.L. Clima Local. In: BICUDO, D.C.; FORTI, M.C.; BICUDO, C.E.M. Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI): unidade de conservação que resiste à urbanização de São Paulo. São Paulo: Editora Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, p. 29-48, 2002.

SILVA, C. C.; CASTRO, G. A. Abundância e biomassa de Pontoscolex corethrurus (Müller, 1857) (Oligochaeta, Glossoscolecidae) em solos cambissolos, neossolos e latossolos brunos na reserva biológica municipal Poço d’Anta – Juiz de Fora – MG. 61ª Reunião anual da SBPC Amazônica: Ciência e Cultura, Manaus- Amazonas, 2009.

SPELLERBERG, I.F.(Org.). Monitorig ecological change. Cambridge: Cambridge University Press. 1991. 334p.

STEFFEN, G.P.K. Diversidade de minhocas e sua relação com ecossistemas naturais e alterados no Estado do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul, Santa Maria, Universidade Federal de Santa Maria, 2012, 208p. (Tese de Doutorado).

STRUFFALDI-DE-VUONNO, Y. Fitossociologia do estrato arbóreo da floresta da Reserva Biológica do Instituto de Botânica. São Paulo, Universidade de São Paulo, 1985. 213p. (Tese de Doutorado).

VAREJÃO-SILVA, M.A.(Org.). Meteorologia e Climatologia. INMET: Brasília, 2000. 515p.

VAZ-DE-MELLO, F.Z., EDMONDS, W.D., OCAMPO, F. & SCHOOLMEESTERS, P. A multilingual key to the genera and subgenera of the subfamily Scarabaeinae of the New World (Coleoptera: Scarabaeidae). New Zeland, Zootaxa, v.2854, p. 1-73, 2011.

VEZZANI, F.M. Qualidade do sistema solo na produção agrícola. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2001.184p. (Tese de Doutorado).

VEZZANI, F.M & MIELNICZUK, J. Revisão de literatura: uma visão sobre qualidade do solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.33, p. 743-755, 2009.

VOS, J.B.; FEENSTRA, J.F.; DE BOER, J.; BRAAT, L.C.; VAN BAALEN, J.(Org.). Indicators for the state of the environment. Amsterdam: Institute for environmental studies. 1985. 425p.

ZILLI, J.E.; RUMJANEK, N.G.; XAVIER,G.R.; COUTINHO, H.L.C.; NEVES, M.C.P. Diversidade microbiana como indicador de qualidade do solo. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 20, n. 3, p. 391-411, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2447-0945