Magnitude de corridas de detritos na Serra do Mar (SP): avaliação de diferentes métodos de classificação

Maria Carolina Villa Gomes, Vivian Cristina Dias, Bianca Carvalho Vieira

Resumo


A determinação da magnitude de processos geomorfológicos de baixa recorrência, como as corridas de detritos, constitui uma das maiores dificuldades para a avaliação da sua variabilidade espacial, do grau de suscetibilidade e da sua probabilidade. Os procedimentos levam em conta o tamanho dos materiais mobilizados, o volume depositado e o seu o raio de alcance. Portanto, o objetivo deste trabalho foi avaliar diferentes métodos/critérios (em escala de bacia hidrográfica) para determinação da magnitude de corridas de detritos na Serra do Mar (SP).  Foram utilizados três métodos, baseados em: (i) índices adimensionais estabelecidos para atributos morfométricos (área da bacia, índice de circularidade, declividade média do canal principal, área acima de 30° e amplitude altimétrica), utilizando-se o Modelo Digital de Elevação com resolução de 5 metros e a base cartográfica (1:50.000); (ii) dimensão dos blocos dos depósitos de corridas de detritos, localizados na rede de drenagem, suas margens e em sopés de encostas, identificados em campo; e (iii) área de inundação da corrida de detrito. Foram selecionadas quatro bacias de drenagem, atingidas por volumes semelhantes de precipitação em março de 1967, em Caraguatatuba (SP): as bacias dos rios Aldeia, Guaxinduba, Pau D’Alho e Santo Antônio. Com base nos atributos morfométricos, as bacias foram hierarquizadas a partir do maior potencial de geração de corridas: Pau D’Alho, Guaxinduba, Aldeia e Santo Antônio. Considerando a dimensão dos blocos, todas as bacias foram classificadas como de maior magnitude, devido à existência de blocos grandes e gigantes. A área de inundação, por sua vez, levou à classificação da bacia do Santo Antônio como a de maior magnitude, seguida pela Guaxinduba, Pau D’Alho e Aldeia. A bacia do Guaxinduba apresentou resultados mais semelhantes para os três métodos de classificação. Os resultados distintos obtidos apontam para a necessidade de utilização de critérios múltiplos para a determinação da magnitude destes eventos.


Palavras-chave


Corridas de detritos; Magnitude; Morfometria de bacias; Serra do Mar

Texto completo:

PDF

Referências


COSTA, J. E. (1984) Physical geomorphology of debris flows. In Costa, J. E., and Fleisher, J. P., eds., Developments and applications of geomorphology, New York: Springer-Verlag. p. 268-317.

CRUZ, O. (1974) A Serra do Mar e o litoral na área de Caraguatatuba – SP. Contribuição à geomorfologia litorânea tropical. Tese de Doutorado. IG – Série Teses e Monografias nº 11, 181p.

CRUZ, O. (1990) Contribuição geomorfológica ao estudo de escarpas da Serra do Mar. Revista do IG 11, p. 9-20.

GRAMANI, M. F.; OLIVITO, J. P. R.; AUGUSTO FILHO, O.; MAGALHÃES, F. S. (2005) Análise da potencialidade de geração de corridas de massa nos trechos serranos do duto OSBAT. 11º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental. Anais. Florianópolis, 15p.

GRAMANI; M. F.; VIEIRA, B. C. (2015) Serra do Mar: the most “tormented” relief in Brazil. In Vieira, B. C.; Salgado, A. A. R.; Santos, L. J. C. (Ed.) Landscapes and Landforms of Brazil. Springer, p. 285-297.

GUIDICINI, G. e NIEBLE, C. M. (1984) Estabilidade de taludes naturais e de escavação. São Paulo: Editora Blucher, 2ª edição, 206p.

JAKOB, M. (2005) Debris-flow hazard analysis. In Jakob, M.; Hungr, O. (Org.) Debris-flow hazards and related phenomena. Springer, p. 442-474.

JOHNSON, A. M. (1970) Physical Processes in Geology. A method for interpretation of natural phenomena – intrusions in igneous rocks, fractures and folds, flow of debris and ice. Freeman, Cooper & Company, San Francisco, Califórnia. 577p.

JOHNSON, P. A., MCCUEN, R. H., HROMADKA, T. V. (1991) Magnitude and frequency of debris flow. Journal of hydrology, 123. Elsevier Science Publishers B. V., Amsterdam, p. 69 – 82.

KANJI, M. A.; GRAMANI, M. F. (2001) Metodologia para determinação da vulnerabilidade a corridas de detritos em pequenas bacias hidráulicas. In: III Conferencia Brasileira de Estabilidade de Encostas (III COBRAE), 2001, Rio de Janeiro. III Conferencia Brasileira de Estabilidade de Encostas (III COBRAE). Rio de Janeiro: ABMS / NRRJ, 2001. v. 1.

SELBY, M. J. (1993) Mass wasting of soils. In: Hillslope materials and processes. Second Edition. Oxford University Press, Oxford, p. 249-355.

STOFFEL, M. (2010) Magnitude-frequency Relationships of Debris Flow – A Case Study Based on Field Survey and Tree-ring Records. Geomorphology 116: 67-76.

TAKAHASHI, T. (2007) Debris Flow: mechanics, prediction and countermeasures. Taylor & Francis Group, London, UK. 439p.

THUNDER CONSULTANTS LTD. (1983) Mitigation of debris flow hazard, Springs Creek fan, report to Morgan Stewart and Company Limited. Victoria, B. C.

UJUETA, G. e MOJICA, J. (1995) Fotointerpretacion y observaciones del flujo de escombros de Noviembre 13 de 1985 en Armero (Tolima, Colombia). GEOLOGIA COLOMBIANA, 19, pgs. 5-25, 7 Figs., 8 Fotos, Santate de Bogota, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2447-0945