Análise retrospectiva de inundação na bacia do Rio Aricanduva, São Paulo

Iury Tadashi Hirota Simas, Cleide Rodrigues, João Lima Sant'Anna Neto

Resumo


O presente trabalho apresenta bases de concepção e resultados de aplicação de metodologia para análise retrospectiva de eventos de inundação, proposta para contemplar a interação entre elementos climáticos, hidrogeomorfológicos e socioespaciais na efetivação de riscos a este fenômeno. Os procedimentos empregados envolvem a aplicação de técnicas geoestatísticas sobre dados pluviométricos, correlação de dados de leituras de radar meteorológico e de estações fluviométricas para as datas com ocorrências registradas na região da bacia hidrográfica do Rio Aricanduva, na Zona Leste de São Paulo. Com a aplicação de um modelo espacial, foi possível ainda estabelecer uma base quantitativa de análise que integrou informações das tendências hidrodinâmicas de superfície e das chuvas incidentes. Não obstante, a análise buscou integrar o fator da vulnerabilidade socioespacial da população afetada por episódio de inundação, que será detalhado neste artigo, através do cruzamento de informações socioeconômicas com a localização de moradias dentro de compartimentos de planícies fluviais. Dentre os principais resultados, destaca-se a possibilidade que a proposta de análise retrospectiva abre quanto à observação da distribuição espacial do evento chuvoso inicial e o encadeamento temporal dos fenômenos físicos que culminaram em uma inundação, ao atingirem uma localidade de alta vulnerabilidade. Conclui-se que a proposta contribui aos estudos sobre a temática, sobretudo, por indicar um meio de leitura e radicalização de variáveis que, comumente, não são tratadas com igual atenção, uma vez que são enquadradas como objetos de estudo de campos do conhecimento geográfico separados.


Palavras-chave


Inundações, risco, antropogeomorfologia, Geografia do Clima, Zona Leste de São Paulo.

Texto completo:

PDF

Referências


COOKE, R. U.; DOORNKAMP, J. C. 1990. Geomorphology in environmental management: a new introduction. 2a edição. New York: Oxford University Press.

FUNDAÇÃO CENTRO DE TECNOLOGIA HIDRAULICA – FCTH. 2015. Relatório de andamento o projeto de complementação do Mapa Hidrográfico do Município de São Paulo. São Paulo: Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano.

FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANALISE DE DADOS – SEADE. 2010. Índice Paulista de Vulnerabilidade Social. São Paulo: Secretaria Estadual de Desenvolvimento e Planejamento Regional.

JAMES, L. A.; MARCUS, W. A. 2006. The human role in changing fluvial systems: retrospect,

inventory and prospect. Geomorphology, 79. Pg. 152-171.

MONTEIRO, C. A. de F. Geossistemas: A história de uma procura. São Paulo: Contexto, 2000.

MOROZ – CACCIA GOUVEIA, I. C. 2010. Da originalidade do sitio urbano de São Paulo às formas antrópicas: aplicação da abordagem da Geografia Antropogênica na Bacia Hidrográfica do Rio Tamanduateí, na Região Metropolitana de São Paulo. Tese de doutorado em Geografia Física. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

NIR, D. 1983. Man, a geomorphological agent. Jerusalem: Keter Publishing.

RODRIGUES, C. 1997. Geomorfologia aplicada: Avaliação de experiências e de instrumentos de planejamento físico-territorial e ambiental brasileiros. Tese de doutorado (Geografia Física). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

_____________. 1999. On antropogeomorphology. In : Anais da regional Conference on geomorphology : Rio de Janeiro. Pág. 100-110.

_____________. 2004. A urbanização da metrópole sob a perspectiva da geomorfologia: Tributo às leituras geográficas. In. : Carlos, A. F. A. ; Oliveira, A. U. de (Org.) Geografias de São Paulo : Representação e crise da metrópole. Obra em 2v. São Paulo : Contexto. Pág. 89-115.

_____________. 2010. Avaliação do impacto humano da urbanização em sistemas hidrogeomorfológicos. Desenvolvimento e aplicação de metodologia na grande São Paulo. São Paulo: FFCHL-USP, Revista do Departamento de Geografia, n°20. Pág. 111-125.

SANT’ANNA NETO, J. L. 2011. O clima urbano como construção social: da vulnerabilidade polissêmica das cidades enfermas ao sofisma utópico das cidades saudáveis. Revista brasileira de climatologia, ano 7, vol. 8. Pág. 45-59.

SIMAS, I. T. H.; RODRIGUES, C. 2016. Flood hazards analysis based on changes of hydrodynamic processes in fluvial systems of Sao Paulo, Brazil. In: European Geosciences Union General Assembly, Viena. Geophysical Research Abstracts. Göttingen: Copernicus GmbH, 2016. v. 18.

SISTEMA DE ALERTAS A INUNDACOES DE SÃO PAULO – SAISP. 2009. Relatório de evento de chuva de 07/12/2009. São Paulo: DAEE/FCTH.

TRICART, J. 1976. Principes et methodes de la géomorphologie. Paris: Masson.

TURNER, B. L., KASPERSON, R. E., MEYER, W. B., DOW, K. M., GOLDING, D., KASPERSON, J. X., MITCHELL, R. C., RATICK, S. J. 1990. Two types of global environmental change. Definitional and spatial-scale issues in their human dimensions. Global Environmental Change, 1, 1, pg. 14-22.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2447-0945